Taquari, 22 de Junho de 2017
NOTÍCIAS
14/04/2017
A fértil Ilha do Pai José

Embora muitos não conheçam, próximo à localidade de Porto Grande, no interior do município, há uma extensa e fértil ilha no Rio Taquari. Conforme levantamento feito pelo engenheiro agrônomo da Emater, Marcos Bender, com 286 hectares, a Ilha do Pai José é a maior do município.
Na ilha, pertencente a Taquari, dezenas de agricultores mantêm atividade, principalmente na cultura do milho. “Aqui, se planta feijão, abóbora, mas o forte mesmo é o milho, para silagem e para vender em balaio. Também tem um pouco de boi, mas muito pouco, porque roubam. Carneiam na ilha e deixam só as cabeças e a buchada”, contou um dos produtores e presidente da Associação de Produtores da Ilha do Pai José, Valdomiro Rodrigues Ribeiro, 70 anos. A associação, atualmente, tem cerca de 15 produtores taquarienses.
A ilha fica situada entre os municípios de Taquari, General Câmara e a localidade de Barreto, em Triunfo. Diariamente, a produção pertencente a Taquari é escoada com auxílio de uma pequena barca. Apenas uma máquina e alguns produtores cabem na embarcação, que é puxada pelas mãos dos próprios agricultores, com auxílio de uma corda que atravessa o rio, e, às vezes, um pequeno barco a motor. Para auxiliar os produtores, a Prefeitura paga cerca de R$ 11 mil anuais pelo contrato com a barca. Há 16 anos, a embarcação atua no local.
Perguntado se vale a pena tanto trabalho para plantar na região, o presidente da associação não hesita: “a terra lá é bem melhor”, contou Valdomiro, que trabalha há cerca de 60 anos no local. Segundo ele, a fertilidade é o ponto forte da área. “Tem muito chiqueirão de porco, aviário de galinha, tambo de leite por aí. O esterco desses animais eles colocam na roça. Quando dá essas chuvaradas grandes, vem tudo água abaixo e muito para essa ilha e outras por aí. Às vezes tamo virando o arado na terra e tá vindo esterco lá do fundo. Pode colocar o adubo mais forte que tiver, que não dá metade da qualidade daquelas terras”, explicou o agricultor.
No entanto, a enchente que traz fertilidade ao lugar também prejudica a plantação, que só pode ser feita nos meses menos chuvosos. “No inverno não se planta nada. A gente começa a trabalhar nessa ilha no mês de agosto e planta lá por outubro, novembro. Começamos a colher em março, abril”, contou o produtor.
 
Quem foi Pai José
 
Segundo o presidente da associação, a história que contam na região é que o primeiro proprietário das terras do arquipélogo foi um negro, na época, conhecido por Pai José. Os descendentes dele, que teriam herdado a área, acabaram se desfazendo das terras. “Eu mesmo, comprei para o meu rapaz, as terras do último que seria da família, há mais de 25 anos”, contou Valdomiro. Segundo ele, antigamente, na ilha, era só mata nativa.
 
Saiba Mais
 
Conforme levantamento feito pelo engenheiro agrônomo da Emater, Marcos Bender, a Ilha do Pai José é a maior de Taquari, com 286 hectares. Depois vem a Ilha dos Bizarros, com 65 hecatres, seguida da Ilha das Flores, com 39,4. Ainda existem outras duas ilhas no arquipélogo taquariense: a dos Macacos, com 9,3 hectares; e a dos Cabritos, com 1.6.
 
 

VÍDEO

No dia 16 de maio, um bugio que estava no Bairro Praia teve um choque ao deitar-se sobre os fios de energia elétrica. Ele caiu dos cabos da rede e foi socorrido por pessoas que estavam nas proximidades, entre elas, o agricultor Seloí Lang, conhecido por Nego do Rincão, que fez massagem e assoprou sua boca.

mais vídeos

 
CLIMA
 
EDIÇÕES
Contato
(51) 3653.3795
(51) 3653.4719
(51) 9861.6358

Copyright © Jornal O Fato Novo 2013. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por