Taquari, 19 de Agosto de 2018
NOTÍCIAS
26/01/2018
Posto da PRE em Amoras precisa de manutenção

Desde novembro do ano passado, não se sabe o destino do posto da Polícia Rodoviária Estadual, o Posto da Polícia Rodoviária Estadual (PRE), que está instalado há décadas na RSC-287, em Amoras. 
Há mais de dois meses, surgiu a informação de que o posto poderia ser transferido para Venâncio Aires. Diante da notícia, moradores das localidades atendidas pela Polícia Rodoviária, que vão desde Amoras até Tabaí, realizaram manifestações contra a possível transferência.
Mas, apesar de representantes da Prefeitura de Taquari e de Venâncio Aires terem se manifestado a respeito, a Secretaria de Segurança Pública informou a O Fato Novo que não há decisão de manter ou realocar a unidade.
Em contato com a assessoria de imprensa da Prefeitura de Venâncio Aires, a proposta da mudança segue aberta. Porém, desde o mês de novembro, não houve nenhum encaminhamento. 
Enquanto o poder público não se manifesta, o batalhão rodoviário segue trabalhando.
Nesta semana, a reportagem foi até o posto em Amoras para verificar as condições do prédio que abriga os policiais. Durante a visita, foi possível constatar que parte da estrutura precisa de reformas.
A frente do prédio aparenta estar em boas condições, assim como a sala de entrada e o balcão de atendimento. Porém, é no interior do edifício que a situação está precária.
Hoje, os armários para os soldados guardarem  seus pertences são guarda-roupas de madeira bastante antigos e deteriorados. Eles estão distribuídos em uma sala utilizada para reunião e no dormitório. 
Neste espaço, há dois beliches e uma cama de solteiro. As persianas são improvisadas e o ar condicionado é bastante antigo. Já o piso está danificado, com parte do mármore quebrado e que ainda não foi recolocado. Segundo os policiais, o piso ficou danificado após um raio atingir o dormitório.
Dos banheiros distribuídos pelo prédio, o que está em melhores condições é o que fica ao lado da sala de entrada. Os demais, apesar de poderem ser utilizados, contam com pias e vasos antigos.
A rede elétrica do prédio também possui problemas: em várias salas, as tomadas estão expostas, podendo resultar em acidentes ou pane elétrico. 
O comandante do pelotão de Amoras, sargento Roni da Silva Alegre, reconhece que a situação do prédio não é a mais adequada. “Precisa de melhoramentos e de reforma, como em qualquer outro local. Até para o melhor conforto e melhor trabalho do nosso efetivo. Pode se dizer que é em todos os postos, até por causa da crise pela qual o país inteiro passa”, afirma.
Para ele, é necessário uma melhoria geral em toda a infraestrutura do posto. “O nosso problema está na estrutura. De equipamentos estamos bem. Temos uma viatura nova, não falta material para nós tocarmos o trabalho.”
A grande preocupação do sargento em relação à situação do prédio é a segurança dos soldados. As portas e janelas do posto não possuem nenhum tipo de reforço, deixando os policiais expostos. “O meu efetivo está sem segurança. Para a segurança seria excelente que o posto fosse cercado. Graças a Deus não aconteceu nada, mas não estamos livres”, afirma.
 
Oitenta acidentes de trânsito em 2017
 
Conforme o sargento Roni, o grande desafio do Posto de Amoras é reduzir os índices de acidentes de trânsito nos trechos atendidos pelo batalhão. “A gente tem procurado aumentar a nossa fiscalização nos pontos que começam a ficar mais críticos. Porque os pontos mudam a cada dia”, comentou. “Nossa área é muito extensa e cobre vários municípios além de Taquari, desde General Câmara, Charqueadas, São Jerônimo, Paverama, entre outros. E nós precisamos estar presentes em todos estes locais. Então, o nosso maior desafio é diminuir cada vez mais o índice de acidentes.”
Segundo ele, somente no ano passado, foram registrados 80 acidentes. Para o sargento, este número, considerando a quantidade de municípios atendidos, não é tão alto, ainda mais em comparação a outras regiões. “Eu trabalhei em outra área onde a média era 200 acidentes, então era muito elevado. Acho que vamos conseguir diminuir este número atual.”
Porém, o sargento acredita que os índices não vão reduzir apenas com o trabalho de fiscalização da Polícia Rodoviária. Para ele, este trabalho vai depender também da população. “Não basta só fiscalizar. Para diminuir os índices, a gente vai ter que conscientizar o condutor”, finaliza.
 

VÍDEO

No dia 16 de maio, um bugio que estava no Bairro Praia teve um choque ao deitar-se sobre os fios de energia elétrica. Ele caiu dos cabos da rede e foi socorrido por pessoas que estavam nas proximidades, entre elas, o agricultor Seloí Lang, conhecido por Nego do Rincão, que fez massagem e assoprou sua boca.

mais vídeos

 
CLIMA
 
EDIÇÕES
Contato
(51) 3653.3795
(51) 3653.4719
(51) 9861.6358

Copyright © Jornal O Fato Novo 2013. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por